• Cursos
  • Escolas
  • Site
  • Aprendizagem Industrial
  • Cursos Livres
  • Cursos Tecnicos
  • Faculdade
  • Pós-Graduação
  • Capital
  • Grande São Paulo
  • Interior

Senai-SP debate normas e regulamentação da mobilidade elétrica

A A A

Oficina realizada pela Promob-e desenvolve temas levantados na primeira edição do evento, em 2018

09/05/2019

Núcleo de Comunicação

O Senai-SP sediou nesta terça, 7/5, a 2ª Oficina sobre Normas e Regulamentações da Mobilidade Elétrica. Trata-se de um debate sobre os desafios para a implantação de veículos elétricos no cenário brasileiro, em parceria com a Promob-e – a iniciativa do Ministério da Economia com o apoio da Agência Alemã de Cooperação Internacional.

Durante a segunda edição do evento, especialistas de diversas áreas discutiram os impactos e os desafios dos temas reunidos na edição anterior do evento, realizado em dezembro de 2018: Infraestrutura de Recarga, Interoperabilidade, Homologação de Veículos Elétricos, Regulação das Emissões e Logística Reversa.

“É importante que haja esse debate sobre como teremos os veículos elétricos para que essa adoção seja sustentável no longo prazo”, aponta Marcus Regiz do Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit (GIZ), órgão alemão que atua no Brasil com foco em energias renováveis e na eficiência energética.

Ao longo da manhã, os participantes da oficina mapearam desafios, motivos e entidades que precisam ser envolvidas para garantir a sustentabilidade do processo de implementação dos veículos elétricos. Ao final do evento, os mediadores de cada sessão temática apresentaram as principais conclusões dos grupos. Em agosto, será realizada a terceira rodada de discussões sobre o assunto, dentro da conferência ‘Perspectivas para a Mobilidade Elétrica no Brasil’.

“Se existe um debate sobre a implementação de veículos elétricos no Brasil, nós precisamos participar, tanto pelo conhecimento técnico que já temos no assunto quanto pelo papel que o Senai-SP desempenha na formação de mão de obra para essa indústria”, comenta João Domingos Chiari Sanchez, diretor da escola Conde José Vicente de Azevedo.